terça-feira, 28 de outubro de 2014

Comunicação via rádio no off road

Um dos acessórios mais presentes e, porque não dizer, importantes em uma atividade off road, são os rádios de comunicação. Desde os conhecidos "walk talks" ou "talk abouts" de baixo alcance e durabilidade, mais utilizados por crianças e atividades locais, até os PY, de som mais limpo e maior alcance, passando pelos PX e até pelos HTs (hand talks) ainda bastante utilizados.


O PX é mais utilizado pelos "jipeiros" que fazem trilhas pelas redondezas dos grandes centros e se utiliza da "faixa do cidadão" regulamentada pela ANATEL na faixa de freqüência de 26.96 MHz a 27.61 MHz, a faixa dos 11 metros, assim chamada devido ao seu comprimento de onda, também muito utilizada pelos conhecidos "rádio amadores" com estações fixas ou com estações móveis, como caminhoneiros por exemplo.


Já o rádio PY, que transmite ou opera em UHF e VHF considerado por muitos como a melhor das opções, garante uma comunicação mais límpida e de maior alcance, talvez por isso, bastante utilizado por aqueles que viajam em comboio ou em expedições de média e longa duração com outros veículos.

                                    

Independente do tipo de rádio, o consenso é que a comunicação favorece muito o desempenho no off road, seja para organizar um comboio, orientar um colega na transposição de um obstáculo na trilha ou simplesmente passar uma informação de segurança.

Para isso porém, existem algumas regras e até um "padrão" internacional conhecido como "Q-code" ou código "Q", que busca facilitar o entendimento mesmo sob más condições de transmissão ou até de pronúncia fonética (dicção, sotaques, regionalismos, etc.). Faz algum tempo já falamos sobre isso aqui, mas confira novamente:



É importante lembrar que a utilização desses equipamentos são regulamentados pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicação) através das normas 01A/80 para o PX e 31/94 para o PY. A fiscalização é de responsabilidade do Ministério das Comunicações, também através da ANATEL. Informe-se dos procedimentos para conseguir a capacitação e consequente autorização ou licença para se utilizar dos serviços de rádio amador.

Até a próxima!